Ángel Rama

Autor

Ángel Rama (1926-1983) foi um dos mais destacados intelectuais uruguaios do século XX, reconhecido como o grande crítico latino-americano de seu tempo.

Foi ator, crítico de teatro, dramaturgo, tradutor e editor. Suas convicções lhe valeram um exílio na Venezuela, onde trabalhou como jornalista e professor. Entre 1979 e 1982, lecionou nas universidades de Maryland e Princeton, nos Estados Unidos, país que acabou por negar-lhe um visto de permanência após esse período, obrigando-o a mudar-se para Paris, pouco antes de sua morte precoce. Mesmo à distância, seu interesse pela política e o compromisso com a sociedade em que viveu seguiram norteando sua trajetória.

Abordando de forma até então inédita o contexto social, ideológico e político que promovia as produções culturais latino-americanas, os trabalhos de Rama se tornaram referência para entender a realidade do continente.

Rama foi responsável pela idealização, nos anos 1970, do projeto da Biblioteca de Ayacucho, coleção que reuniu os autores latino-americanos mais representativos. Seus principais trabalhos são A cidade das letras (Boitempo, 2015), Rubén Darío y el modernismo (1970) e Transculturación narrativa en América Latina (1982).