Em vez de pagar pela educação, Alckmin prefere chamar a polícia

24.11.2015

UOL | Opinião
Christian Ingo Lenz Dunker

A aprendizagem é um processo paradoxal, pois, mesmo se quiséssemos parar de aprender, ainda assim não conseguiríamos. Toda nova experiência convoca o trabalho de articular o novo ao já antes sabido. Freud observou este fenômeno ao dizer que o Eu não pode tomar algo que lhe aconteceu, como algo não acontecido.  Por mais dolorosa e insuportável que seja uma experiência ela sempre deixa uma marca. Um traço que se junta com outros traços formando o que chamamos de um saber. Aprendemos tanto com nossos modelos quanto com nosso anti-modelos, tanto com o que nos alegra quanto o que nos desagrada. Aprender é de certa forma ocupar, no sentido de apropriar. Mas então, o que nossos alunos, que ocupam escolas de São Paulo, em represália ao plano de reorganização escolar proposto pela Secretaria Estadual de Educação, estão aprendendo com nosso governador?

A reformulação que agrupa alunos por idade, criando doravante escolas específicas para o Fundamental I e II e para o Ensino Médio, baseia-se em raciocínio e ação condizentes e consequentes com seus objetivos. A divisão das escolas por idade diminui custos, pois aumenta a taxa de ocupação por professor. Isso disponibiliza prédios, sobe o número de alunos por turma e maximiza uso de recursos administrativos. Ademais a separação etária protege alunos menores da exposição precoce a práticas de risco, como violência e drogas, endêmica em certas áreas da cidade, particularmente entre os mais velhos. A separação etária diminuiria assim a vulnerabilidade social dos mais jovens e cortaria custos com educação.  Temos aqui uma excelente cartilha sobre o bom uso dos recursos públicos. Para os que acham que a ideologia devia ficar fora da educação, aqui está uma lição contundente de ideologia neoliberal. No cerne desta forma de raciocínio político está a ideia de que inexistem zonas externas à lógica do mercado. Saúde, educação, recursos naturais ou cultura, toda prática humana que dependente de insumo econômico, deve ser tratada segundo a regra da maximização de benefícios e minimização de custos.

Não precisamos apelar para o caráter sagrado da educação ou saúde para saber quem vai pagar pela redução de custos.  Neste novo cenário pais deverão acompanhar filhos em duas ou três escolas diferentes. Com a distância a participação da comunidade, um importante fator de excelência escolar, se torna mais difícil. A redução de custos, que nos acostumamos a aceitar docilmente como um princípio auto-evidente, baseia-se na imposição adicional de trabalho gratuito e gasto de tempo para os outros, ou seja, as famílias mais pobres que tem seus filhos em escolas públicas. O primeiro truque aqui nos é revelado pelo próprio cerne do neoliberalismo. Assim como não existe almoço grátis, não existe escola grátis. Se queremos melhores escolas é melhor pagarmos por elas.

Se a conta está bem feita, teremos menos escolas funcionando. Com menos escolas e igual número de crianças isso aumentará a quantidade de viagens e a extensão dos movimentos dentro da cidade. Logo, o trânsito e a mobilidade urbana tendem a piorar. Aqui está o segundo truque que estamos ensinando a nossos estudantes: isole os problemas e faça com que eles concorram entre si.  O departamento de trânsito não tem nada que ver com o departamento de educação, que não será afetada pela saúde ou pelas águas pluviais. Cada qual é como uma empresa, competindo por mais verbas e tendo que justificar seus orçamentos. Quando aplicamos princípios de gerência de empresas para o trato de nossos recursos comuns estamos simplesmente eximindo o governo de sua tarefa primeira que é pensar o conjunto da cidade.

Há um consenso mundial de que a educação sai-se melhor se há uma comunidade de não coetâneos envolvidos na tarefa. É assim em Reggio-Emília. É assim na Finlândia. É assim até mesmo nos avançados países asiáticos. Conviver com diferenças é o ponto de saída para que nossas escolas não se tornem condomínios de aprendizagem. Isso tem um efeito colateral que é o ódio social cultivado por formas de vida organizadas pela  segregação, seja ela de classe, de gênero, de origem ou de idade. A inclusão é um grande experimento em curso no Brasil de hoje. O fim das classes especiais, a aprendizagem no convívio com a diferença, o ritmo e o estilo cognitivo distinto entre os alunos de uma mesma turma, cobra um grande esforço de professores e auxiliares. Por isso uma lei, recentemente aprovada, limita as salas em 20 alunos, quando da presença de um caso em regime de inclusão.  Desconhecendo tal processo a máxima moral da redução de custos nos faz crer que classes mais ocupadas são um princípio desejável por si mesmo. Temos então de um lado experiências internacionais, a política nacional de inclusão, a opinião de educadores e a recente norma jurídica, e do outro o argumento dos entendidos na circulação de dinheiro. Com qual deles queremos aprender?

A pertinência da ideologia neoliberal na educação é discutível. Suas teses e valores podem ser contestados. Contudo, aprender não é só uma questão de conteúdo e currículo, é também um problema de forma e processo. Neste sentido teria sido simples, para a Secretaria de Educação, convocar pais, professores, alunos e funcionários para discutir e propor a reorganização das escolas. Poderíamos ter ponderado, desde o início, o que seria feito com os prédios desocupados. Como eles seriam revertidos em boas práticas em educação e como garantir que não fossem usados para maximizar lucros imobiliários. Ocorre que o poder público jamais pensa que seu exercício é também uma situação pedagógica, na qual aprendemos a participar, argumentar e aceitar a solução alcançada, porque nos reconhecemos no processo que a produziu. A mentalidade de síndico profissional, que se apossou de nossos políticos, reduz o processo a uma cascata de operações jurídicas, administrativas e policiais. A reorganização foi apresentada com força de lei, os apelos de discussão desdenhados, os argumentos de educadores e professores desqualificados. Ao final, além de ressentimento, o que se aprende com isso é apenas a disciplina da violência.    

A lição aqui é a pior possível. Com a atitude do governador somos ensinados que o poder se exerce as expensas da autoridade e na ausência de vergonha. Sua insinuação de que um fim de semana seria suficiente para acabar com a resistência dos estudantes que ocupam as escolas de São Paulo sugere que eles são desocupados, preguiçosos ou insuficientemente dedicados. Extensão de como os professores da rede pública e das universidades estaduais são tratados. Nosso professor governador ensina que sua impotência em exercer autenticamente sua autoridade fez sua prática reduzir-se ao exercício do poder. Um gesto a mais nesta série histórica que culpa a falta de educação por tudo, mas na hora de pagar pelo serviço prefere chamar a polícia.

A reação dos alunos e professores não poderia ter sido mais exemplar. Contra a desocupação da escola como bem público, a re-ocupação de todas as escolas. Contra a desocupação da escola por gestores a convocação geral para que todos nós nos façamos professores e alunos. Um gesto que pode estar fora da lei, mas que está pleno de autoridade. São os alunos que estão nos ensinando que é preciso tornar a escola o centro do debate ao incluí-la na série das ocupações. São eles que estão indicando o caminho do retorno ao espaço público e da apropriação de nossos bens simbólicos. Sabemos que salas lotadas tendem a piorar nossos índices de desempenho, sabemos que a municipalização “branca” do ensino fundamental é o caminho para o Estado se desresponsabilizar pelos “casos difíceis”, sabemos como se criam métricas para resultados “maquiados”, porém tivemos que esperar nossos alunos tomarem o lugar de professores para sairmos deste saber sem consequência. E com eles espero que logo mais todas as escolas de São Paulo, privadas e públicas, sejam realmente ocupadas, não por alunos-números ou carne intelectual processada, mas por gente capaz de escrever os caminhos de seu próprio saber.